março 18

Encontrados os restos mortais de Cervantes

0
0

Os restos mortais de Miguel de Cervantes (1547-1616) – o autor da célebre obra Dom Quixote – e de sua esposa Catalina de Salazar foram encontrados na cripta da Igreja das Trinitárias em Madrid (Espanha). A informação foi apresentada em conferência à imprensa pela equipe que exumou e analisou as ossaturas. Francisco Etxebarria, diretor forense, afirmou que: “É possível considerar que entre os fragmentos encontrados na cripta da igreja das Trinitárias se encontrem alguns fragmentos pertencentes a Miguel Cervantes. São muitas as coincidências e não há discrepâncias” (Euronews).

Os restos agora encontrados haviam sido “trasladados da antiga igreja das Trinitárias, na primeira metade do século XVII, juntos com a cripta da igreja, na altura da construção do convento e coincidem com a documentação histórica existente” (Euronews). Em janeiro deste ano, a equipe que realizou as buscas encontrou na referida igreja um caixão com as iniciais MC – fato que levantou ainda mais suspeitas de que ali estariam os restos mortais do famoso escritor espanhol.

Núrya Ramos

Fontes: 

http://pt.euronews.com/2015/03/17/espanha-confirmada-a-descoberta-de-restos-mortais-de-cervantes/

http://pt.euronews.com/2015/01/26/em-busca-dos-ossos-de-cervantes/

-55


Tags:, ,
Copyright © 2014. All rights reserved.

Posted 18/03/2015 by Núrya Ramos in category "Arqueologia

About the Author

Núrya Ramos é graduada em Serviço Social, pós-graduada em Políticas Públicas e Intervenção Social e atualmente é pós-graduanda em Gestão e Elaboração de Projetos Sociais. Atuou como tutora presencial na Universidade Anhanguera – UNIDERP (2012-2015) e como professora universitária no CEFELMA – Centro de Formação Educacional do Leste Maranhense (2012-2014). Apaixonada por literatura, música, cinema, culinária, mitologia, séries, futebol, fotografia, artes em geral e animais, também é poetisa amadora e flamenguista de carteirinha. Sonha em ser arqueóloga e percorrer o mundo desvendando os mistérios da nossa história.

Deixe uma resposta