dezembro 31

Nos Ombros do Cão

0
0

“Não havia um só cão para espiá-lo fazer a barba, ou farejar seus pés sobre o cimento nu, olhos a espreitar de esguelha, zigue-zagues pelo pátio, arrastar de pernas, penas, botas, botinas, mágoas.
Não era domingo, e também não era noite para se tentar esconder as marcas dos corpos. Os cortes dos copos. Giletes. Estiletes. Pontas de facas.”

Assim se inicia o romance Nos ombros do cão de autoria do escritor mato-grossense Miguel Jorge. Como pano de fundo desta narrativa um dos períodos mais nebulosos da história brasileira: a ditadura militar. A trama em torno do assassinato de Ana – uma menina loira de olhos inocentes – pelo açougueiro do bairro – Gregório, o Galego – expõe uma época da vida brasileira onde os acontecimentos rotineiros e banais convivem com a repressão, a tortura, as prisões e os crimes do governo dos militares.
A obsessão de Galego por Ana, a luta de Masael – líder estudantil do Liceu de Goiânia, a perseguição dos governantes, o silêncio e ausência de Lilás – a mãe de Ana – são fios que conduzem o leitor a mergulhar nesta história carregada de mistérios, sofrimentos e sombras. Lançado em 1991 pela Editora Siciliano e vencedor do Prêmio Biblioteca Nacional, Nos ombros do cão é um romance denso, forte e envolvente, que perscruta o que há de mais profundo e aterrorizante no ser humano.
Numa época em que as perseguições, o jogo de interesses e os desmandos do governo ditavam os rumos da vida da população, a luta incessante por justiça e a busca incansável por liberdade não surgem como meros figurantes, e sim, como elementos cruciais desta estória que envolve e sensibiliza o leitor. Nos ombros do cão é uma excelente obra literária que proporciona a quem mergulha em seu universo se sentir como se personagem da obra fosse.

Núrya Ramos

Fonte:
JORGE, Miguel. Nos ombros do cão. São Paulo, Siciliano, 1991.

-84